InicioComunicaciónComPolVotar por convicções e não por interesses

Votar por convicções e não por interesses

No Brasil, a economia está crescendo, mas também a desaprovação do governo Lula. Qual é a causa deste paradoxo? É uma contradição ou um novo modelo de relação dos eleitores com as suas expectativas? A mítica frase “é a economia, estúpido” que James Carville popularizou na primeira campanha de Bill Clinton parece ter perdido a sua validade. Antes, a percepção que tínhamos da economia influenciava ou mesmo definia as opiniões políticas e o comportamento eleitoral. O conhecido votar com o bolso”. No entanto, parece que agora são as próprias inclinações políticas que determinam a percepção da economia e a direção do país. Você pensa o que sente.

O mesmo acontece nos Estados Unidos, onde o desemprego é de apenas 4%, abaixo dos 6,4% de quando Joe Biden se tornou presidente. Apesar da crise de abastecimento e das guerras na Ucrânia e na Faixa de Gaza, a economia não parou de crescer e a inflação manteve-se estável durante mais de um ano. Se julgarmos estritamente por estes resultados macroeconômicos, a reeleição do Democrata estaria mais ou menos garantida. Mas nada está mais longe da verdade. De acordo com a média das sondagens da Real Clear Politics, 57,8% do eleitorado desaprova a gestão econômica e a maioria acredita que Donald Trump poderia fazer melhor.

Em sociedades altamente polarizadas, como a nossa, os eleitores tendem a cair no “viés de confirmação”, que é a tendência de procurar, interpretar e lembrar seletivamente informações para confirmar as suas próprias crenças e posições. Esta dissonância entre o que os dados dizem e o que acreditamos é a base deste fenômeno de crescente subjetividade política. A avaliação não é objetiva nem justa. É parcial e arbitrária. Opinamos com base naquilo que acreditamos.

Enquanto o atual nível de polarização for mantido no Brasil, a confiança na mídia vai continuar diminuindo e a exposição a notícias falsas vai aumentar, o que por sinal, estima-se que sejam 70% mais compartilhadas do que as notícias verdadeiras, parece difícil que a lacuna entre o julgamento racional e o preconceito seja reduzida. É um desafio que os governos – e todos os envolvidos no processo político, têm pela frente e terão de abordar desde já, até as eleições de outubro, e também nas próximas eleições presidenciais.

Os governos, preocupados com a crescente desaprovação e o crescente pessimismo, que é altamente contagioso, implementam estratégias para divulgar as suas realizações macroeconômicas. Eles sabem que, na política, e ainda mais em tempos eleitorais, a percepção é a única nova realidade. Por isso, inundam as suas plataformas com dados, gráficos e outros conteúdos mais ou menos pedagógicos, que no caso norte-americano aparecem sob a égide da «bidenômica», uma homenagem ao programa econômico de Ronald Reagan: a reaganômica. Estas estratégias, embora necessárias e convenientes, acabam por desenhar dois mundos paralelos e completamente opostos. Os eleitores devem escolher em que acreditar, ou melhor ainda, em quem acreditar. Assim, a comunicação política tornou-se terreno de disputa pela verdade e de campanhas competindo para quem melhor a representa e defende. De eleitores a crentes.

É fundamental acompanhar estas estratégias mais racionais com outras que tenham em conta a dimensão emocional, que, afinal, é onde se define a percepção da realidade. Talvez não se trate tanto de convencer os cidadãos do aumento do PIB, mas sim de explicar a cada comunidade de eleitores, a cada segmento, como uma determinada política pública os ajudará a sobreviver: a microeconomia e a micropolítica. Os nossos países são enormes, mas o país das nossas famílias começa – e quase termina – no seu metro quadrado cotidiano e no seu mundo de valores e convicções.

Publicado en: Diário de São Paulo (29.06.2024)

Enlaces asociados:
Campanha eleitoral não pode ser lei da selva, diz marqueteiro espanhol (Folha de S.Paulo, 30.06.2024)

Otros contenidos

JD Vance: el vice de película de Donald Trump

FRANZ VON BERGEN Este artículo forma parte de la serie de contenidos del espacio ELECCIONES USA 2024, donde irán escribiendo distintas firmas invitadas. Ron Howard ganó el...

Joe Biden, el candidato insostenible

XAVIER PEYTIBI Este artículo forma parte de la serie de contenidos del espacio ELECCIONES USA 2024, donde irán escribiendo distintas firmas invitadas. Faltaban aún 23 días para...

Todavía es posible

Biden ha abandonado por tres razones. La principal es que no consiguió revertir —tras el desastroso primer debate electoral— la percepción de que no...

DEJA UNA RESPUESTA

Por favor ingrese su comentario!
Por favor ingrese su nombre aquí

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.